De olho em Rio das Ostras-RJ

De olho em Rio das Ostras-RJ

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Rio das Ostras estuda ações para conter avanço do mar na Praia da Tartaruga

                                                                                         Foto:Secom
Nesta terça, dia 12, representantes da Prefeitura de Rio das Ostras se reuniram com equipe do Departamento de Estradas e Rodagens do Estado – DER/RJ e da Cedae para discutir ações que possam conter o avanço do mar na Praia da Tartaruga. Só nos últimos cinco meses o movimento do oceano já provocou a destruição de boa parte do calçadão. A Defesa Civil Municipal já interditou parte da ciclovia e um quiosque. A erosão agora ameaça as adutoras que levam água para a parte sul da cidade e a Rodovia Amaral Peixoto.

Para discutir a questão, o prefeito Sabino recebeu o gerente regional da Cedae/Macaé, Fernando Arruda, o engenheiro do DER/Macaé, Rui  Torres, e a equipe da Defesa Civil do Município.   Ficou definido como ação imediata a alocação de mais pedras na área erodida para conter o avanço do mar, em especial neste período de ressaca, quando os danos podem ser ainda maiores.

Durante a reunião, o prefeito falou por telefone com o Secretário Estadual de Obras, José Peixoto. Ele confirmou que a Secretaria estuda uma obra em caráter emergencial para tentar amenizar o problema, preservando a rodovia, que é gerida pelo Estado.    

O secretário Municipal de Obras, Wayner Fajardo, se reuniu na semana passada com o presidente do DER, Ângelo Monteiro, para discutir um projeto que possa solucionar, ou ao menos, minimizar o problema.

Preocupada com a situação, a Prefeitura enviou um ofício no último dia 14, ao Governador Luiz Fernando Pezão e o presidente da Cedae, Jorge  Briard, relatando a situação.  
                                                                          

A Prefeitura de Rio das Ostras há anos vem trabalhando para conter o avanço do mar naquele local, onde já foi construído um muro de contenção. Porém, a situação vem se agravando nos últimos anos, assim como acontece em boa parte do litoral fluminense, que enfrenta o avanço do oceano. 

Um comentário: